AVISO DE COOKIES: Este site utiliza cookies com o objetivo de recopilar dados estatísticos anónimos de uso do site e de melhorar o funcionamento e personalização da experiência de navegação do utilizador. Aceitar Mais informação
A+ A-
  1. Home,
  2. Descubra Benidorm,
  3. História Turística de Benidorm
voltar

História Turística de Benidorm

Breve História do Turismo em Benidorm

A Câmara Municipal de Benidorm comemorou em 1993 o primeiro século do turismo na cidade, baseando-se no folheto turístico dos “Banhos da Virgen del Sufragio”, publicado em 1893, o qual constitui o primeiro folheto turístico conhecido de Benidorm, e que também incluía um dos primeiros “transfers” da história do turismo, levado a cabo desde Alicante através do “tren botijo” que trazia os primeiros visitantes de Madrid e Alcoy.

100 anos de Turismo

No século XIX, Benidorm via nascer a Hospedaria La Mayora (1865), embora as primeiras referências turísticas a Benidorm apareçam no livro de Christian August Fischer, ‘Quadro de Valência’, publicado em 1803 em alemão e baseado na sua passagem por Valência em 1798. Nele, descreve-se a arte da almadrava e recomenda-se Benidorm como destino ideal para aprofundar na arte da pesca do atum ou da sardinha.

Em 1852, o Novo Guia do Banhista em Espanha de Aureliano Maestre de San Juan, destaca Benidorm como uma das atrações do litoral alicantino e, em 1853, Benidorm volta a aparecer no Tratado de Fontes Minerais de Espanha dedicado ao incipiente turismo de saúde dos Banhos de Busot.

A melhoria das infraestruturas rodoviárias permite o início de uma nova atividade económica: o turismo. Na segunda metade do século XIX, o Balneário La Virgen del Sufragio abre as suas portas ao público; a sua finalidade é a de prestar atendimento aos viajantes de Alcoy, Madrid e de outras cidades de Espanha que visitavam Benidorm com o objetivo de tomar banhos de mar.

Graças à construção da nova estrada Silla-Alicante e à chegada a Alicante dos caminhos-de-ferro a partir de Madrid, a atividade turística vê-se favorecida. Em 1914, é inaugurado o caminho-de-ferro de via estreita – o conhecido Trenet de la Marina – que liga Alicante a Altea e, por conseguinte, a Benidorm.

Na década dos anos cinquenta, duas circunstâncias vitais concorrem para a orientação definitiva de Benidorm para a atividade turística. Por um lado, em 1952, a Almadrava do Racó de l’Oix cessa definitivamente a sua atividade em consequência da escassez de capturas, com o consequente prejuízo para as muitas famílias dependentes da pesca como modo de vida; não obstante, por outro lado, em 1956 a Câmara Municipal aprova o ordenamento urbanístico do município com a pretensão de criar uma cidade concebida para o lazer turístico, baseando-se em ruas bem traçadas e em amplas avenidas, seguindo a configuração natural das praias.

Benidorm Cidade Vertical

O Plano Geral de 1956 configurava o traçado de Benidorm tal como é conhecido nos nossos dias. Tratava-se de uma conceção horizontal, baseada numa linha mais clássica de edifícios de baixa altura como os apartamentos, moradias e hotéis que se construíram a partir daquele preciso momento até aos primeiros anos da década dos anos sessenta.

O impulsionador do Plano Geral de 1956 foi o Presidente da Câmara Pedro Zaragoza i Orts, ainda considerado um visionário por muitíssimos técnicos do turismo pelo projeto que desenhou para a cidade. Além disso, foi o primeiro Presidente da Câmara em Espanha a permitir o uso do biquíni durante os seus 17 anos de mandato e pôs em marcha um genuíno plano de promoção que, através do Festival da Canção, levou a imagem turística de Benidorm ao resto do mundo.

O Festival de Benidorm e a sua História

O cantor de maior sucesso e mais internacional de Espanha, Julio Iglesias, ganhou a edição de 1968 e foi imagem de estrela nas edições de 1969, 1973 e 1975. De igual forma, o Dúo Dinámico encarregou-se de fechar o festival na edição de 1962, voltando de novo na de 1981 e participando em diversas edições até que, em 1977 conseguem, por fim, a sua desejada “Sereia de Benidorm” graças ao tema “Aléjate”.

Foi de tal forma abrumador o sucesso do certame que contou inclusivamente com a sua própria longa metragem intitulada “Festival de Benidorm” com Conchita Velasco, Carmen de Lirio e Manolo Gómez Bur. Desde então, Benidorm tornou-se palco cinematográfico para mais de 300 filmes. O primeiro a ser rodado em Benidorm foi “Alba de América” em 1951. Menção especial para um dos filmes mais famosos do cinema espanhol: «Ovos de ouro» dirigido por Bigas Luna em 1993 e protagonizado por Maribel Verdú e por Javier Bardem, vencedor de um Óscar.

No fim da década dos anos cinquenta assistimos à revolução “motorizada” do SEAT 600, que se fez acompanhar por um novo paradigma cultural e costumbrista introduzido nessa ocasião pelas raparigas francesas que, alheias às prescrições morais da época, vestiam fatos de banho de duas peças chamados biquíni, em homenagem aos testes nucleares que o governo francês realizava por aquele época no Oceano Pacífico no atol com o mesmo nome.

Apesar das reticências socioculturais no que diz respeito ao uso da peça de roupa em questão, esta foi-se paulatinamente generalizando entre as banhistas graças, entre outras coisas, à influência dos hotéis, os quais contribuíram para o relaxamento dos costumes e a fidelização da clientela que, em grande número, passaram da condição de hóspedes do hotel à de proprietários de apartamentos e moradias.

Na segunda metade da década dos anos sessenta, começam a trabalhar em Benidorm os primeiros Tour-operadores britânicos, que trazem grupos através do aeroporto de Manises. Aproveitando os preços e o bom clima durante todo o ano, leva-se a cabo a primeira tentativa de dessazonalização da atividade turística.

Em março de 1970, os tour-operadores começam a operar com voos charter através do recém-inaugurado aeroporto de El Altet. A grande procura de vagas hoteleiras acarretou uma rápida construção de hotéis entre 1971 e 1973 e, assim sendo, Benidorm alcançou o seu zénite de desenvolvimento vertical durante esses anos visto que grande parte dos arranha-céus que se ergueram num tempo recorde foram gigantescos hotéis chamados “hotelfábrica”.

Atualmente, Benidorm mantém um excelente nível de ocupação hoteleira, tanto no verão como no inverno graças ao chamado turismo da terceira idade.

Após esta breve viagem pela história do desenvolvimento turístico de Benidorm, podemos afirmar que o atributo de sol e praia continua a ser o produto estrela de Benidorm, embora se possa apreciar uma aposta pela diversificação do produto turístico, incluindo uma nova oferta complementar (parque temáticos, golfe, saúde e beleza, desportos náuticos, turismo de congressos e incentivos, etc.) bem como um constante esforço de renovação e de adaptação permanente às novas exigências da procura, tudo isto com a finalidade de manter a competitividade e o seu posicionamento como destino líder indiscutível no mercado turístico nacional e internacional.